O empresário Flávio Augusto crê no Brasil: você deve investir durante a crise!


2016 foi um ano turbulento para os negócios e a previsão, infelizmente, é que 2017 seja ainda pior! Mas será que isso é uma má notícia? Na verdade, não; saber investir durante a crise é o diferencial que fará sua empresa se destacar entre seus concorrentes.

É o que pensa Flávio Augusto, presidente na T-BDH Capital, fundador da WiseUp, proprietário do Orlando City, escritor de Geração de valor 1, 2 e 3, e MeuSucesso.com, e que, além de empresário é escritor e conferencista.

Em tempos de crise como os que vivemos atualmente, uma das máximas de Flávio Augusto se mostra verdadeira: “investir no Brasil não é para amadores”. Nesse artigo vamos refletir sobre algumas opiniões do especialista em relação às tendências do mercado e as vantagens de se investir estrategicamente durante períodos de crise.

Porque 2017 será um ano economicamente instável?

crise politica 2017

– Por que a economia será instável durante o ano de 2017?

– Política!

Augusto alerta que é impossível conversar sobre economia deixando a política de lado, principalmente considerando o momento que o Brasil está passando. Impeachment da presidenta Dilma Rousself, escândalos relacionados a corrupção, lista da Odebrecht, insatisfação por parte da população com a posse de Michel Temer, tramites políticos para tentar tirá-lo do poder – o que acarretaria uma eleição indireta, etc.

Não se trata de ser de esquerda ou direita, a economia não escolhe lados num ambiente flutuante assim. Toda essa instabilidade no poder gera um receio de investimentos no mercado, pois a economia se torna, assim como a política, imprevisível.

Em 2016 houve complicações no mercado por conta da política oscilante e 2017 terá uma política igualmente, ou até mais agitada. As manchetes a cada dia nos enchem com mais escândalos, e as consequências são nítidas para todo o mundo: as agências de classificação de risco deram seu veredicto sobre o Brasil.

Na classificação de risco, o Brasil perdeu Investment Grade. O Investment Grade é uma nota atribuída aos países por agências de classificação de risco; a grosso modo, elas indicam a capacidade que um país tem de pagar suas dívidas internas e externas.

O Brasil foi rebaixado pelas agências de risco para “grau especulativo” com essa nova classificação o fundo é obrigado a não investir no pois por força de estatuto. Por esse motivo várias empresas saíram do país, e foi também uma forte razão para a alta do dólar nos últimos anos.

O cenário parece impossível para um investidor, mas não é bem assim. É preciso distinguir o que a mídia mostra do que se vive. Saber que a economia vai mal e que as chances de sucesso estão limitadas é uma obrigação do investidor, mas saber que existem oportunidades de ouro por esse mesmo motivo é dever de um visionário!

Sobreviver à crise ou investir no futuro?

Sobreviver à crise mantendo o máximo possível da estrutura da companhia é mais do que uma luta pela vida da empresa é garantia de sucesso. Veja alguns comentários de Flávio Augusto sobre como driblou a crise:

Investimento em Marketing Digital

investir em marketing digital

Durante a crise, Flávio Augusto recomprou a Wise Up por 398 milhões de reais. De acordo com o investidor, ele não foi enganado, mas sim brilhante.

“Eu não sou maluco de fazer esse compra, sem compreender bem o lado B do mercado. O lado A falava de toda essa desgraça político-econômica, o lado B sou eu! O que eu posso fazer no meio disso tudo.”

Ainda sobre a aquisição da Wise Up, Augusto destaca que é preciso saber usar suas ferramentas para driblar a crise. Conhecendo bem o mercado e trabalhando bem as estratégias ele conseguiu dar a volta por cima no ano de 2016.

No início do ano, graças a um imprevisto, Augusto perdeu 80% de um investimento de 15 milhões de reais, mas investindo com força em marketing com estratégias distintas projetadas especificadamente para a Wise Up, conseguiu terminar o ano com bons resultados.

“Não existe segurança, qualquer investimento tem riscos. Nós investidores temos que saber gerenciar riscos!”

Vendas proativas durante a crise:

Para Flávio Augusto, a venda é você quem prospecta! Não se trata de um fenômeno sobrenatural que acontece, você como empreendedor deve fazer acontecer. É preciso estudar os canais de vendas, rever estratégias trabalhar em inovações, partir para um perfil mais atuante e agressivo, principalmente nos períodos de crise, quando os concorrentes estão menos propensos a se arriscar.

Demissões ajudam a conter gastos?

Segundo Flávio Augusto, demitir é o pesadelo de um empreendedor consciente prednisone pills. Em primeiro lugar, demitir é caro; em segundo lugar, a demissão acontece quando o funcionário não atende ou não se adapta às necessidades da empresa, ou quando a companhia está passando por dificuldades e acredita que reduzir o quadro de funcionários é uma boa forma de conter gastos.

Cada empresa tem uma realidade distinta, mas de modo geral é possível dizer: demissões não resolvem. Quando você demite para poupar gastos, você se desfaz de um funcionário que muitas vezes já conhece seu produto, que foi treinado. Você está perdendo mão de obra e jogando fora o investimento que fez naquela pessoa.

Demissões só devem acontecer em último caso, embora seja preciso julgar com clareza, afinal, um funcionário improdutivo é um mal investimento, nesse caso, é necessário conseguir resgatar sua produtividade, ou substitui-lo!

Como empreendedor, você sabe diferenciar otimismo de cegueira?

Investidor

Flávio Augusto não é um sonhador, é um estrategista e ressalta a importância de não fantasiar, mas sim de planejar!

Augusto ressalta que mercado em crise não é sinônimo de empresa em crise. Durante as crises econômicas existem empresas lucrando e durante períodos otimistas há negócios falindo. É preciso manter o otimismo, mas sem ser cego!

Cegueira é pensar que o mercado está ruim e achar que tudo vai dar certo, fechar os olhos para os problemas.

Otimismo é reconhecer os problemas e planejar como transformá-los em oportunidades ou ao menos estudar como contorná-los.

Durante a crise, faça muito com pouco!

A tática certa para a sua empresa vai depender de uma série de fatores, a quantidade de dinheiro em caixa, o número de funcionários, as estratégias que costumam funcionar melhor no seu nicho, para saber os detalhes é preciso conhecer o mercado e seu potencial.

Muitas empresas recorrem a consultorias, mas independentemente de qual será o viés do seu negócio, você não pode ficar parado durante a crise!

Demissão x contratação

Contratar durante a crise

Preserve e renove ao mesmo tempo o quadro de funcionários. Mantenha o número de pessoas ou até contrate mais. Qualquer bom empreendedor sabe que os funcionários são o maior bem de uma empresa, eles são a força que produz os rendimentos do negócio.

A crise pode ser uma oportunidade de ouro para renovar seu quadro de funcionários. Durante períodos economicamente conturbados, algumas empresas abrem mão de ótimos empregados por não terem administrado ou planejado com sabedoria.

Manter o quadro e ainda conseguir contratar pessoas qualificadas durante a crise pode significar apertar os cintos e postergar alguns upgrades, porém encare como um investimento: enquanto todos estiverem engatinhando para se recuperar você já estará engatilhado para crescer!

Investir durante a crise em Marketing Digital?

investir marketing digital 2

Um dos primeiros setores a sofrer cortes em períodos de crise é o de marketing, mas será essa uma atitude sábia?

“5% das vendas acontecem, 95% das vendas é você que tem de fazer acontecer!”

Um exemplo de empresa do ramo de entretenimento digital parceira do empresário Flávio Augusto é o Jovem Nerd. Eles contam com uma loja online, canal no Youtube, Twiter, Instagram, página no Facebook e aplicativos para Android e Apple. Nesse ano, ao invés de contrair gastos, investiram estrategicamente no marketing digital e aumentaram o faturamento da empresa.

O ano de crise foi, para o Jovem Nerd, um ano de crescimento no faturamento e contratação de pessoal. Graças a boas estratégias de Marketing, conteúdos atrativos, táticas de SEO, o negócio deu frutos mesmo em um período ruim.

Eles seguiram à risca os conselhos de Augusto e colherão frutos ainda mais prósperos quando a crise acabar, afinal de contas estarão à frente de muitos concorrentes do seu nicho que não aproveitaram bem a chance de transformar o problema em oportunidade.

Durante o período de 2016 as agências digitais se abalaram com a crise, muitos clientes saíram, poucos contratos surgiram, e cortes foram feitos. A Agência Open, por outro lado, também optou por uma estratégia mais ativa. Houve uma contenção de gastos, alguns upgrades foram postergados e com medidas específicas não só foi mantido o número de funcionários, o número cresceu bastante!

Com isso, a Open teve capacidade de atender mais contas e criar um cenário otimista mesmo dentro da crise. A curto prazo parece arriscado, mas como um investimento essas atitudes podem trazer um crescimento muito maior na arrecadação, e como já foi dito “é preciso saber gerenciar riscos!

 

Você já organizou medidas de ação para sua empresa? Sabe como ser mais proativo durante um período de instabilidade econômica? Já pensou que uma das soluções é aumentar o investimento no marketing e não o diminuir? Sabe como aumentar as vendas pelo Instagram, Facebook, Twitter, apps e outras mídias digitais?

A crise que parece uma pedra de tropeço, pode ser o degrau de subida para o sucesso da sua empresa. Consulte uma empresa especializada no assunto, fale com a Open!

 


Ramon Soares
Ramon Soares

Seja o primeiro a saber

Cadastre-se para ficar por dentro das novidades do blog e da agência!


Rua Alagoas - 1160 - 6º andar CEP: 30130-160
Bairro funcionários

31 3047.2931
contato@agenciaopen.com